Conteúdo

Versão em espanhol


Redes Sociais




Câncer de Útero


O útero é um órgão em formato de pera. Sua extremidade superior chama-se fundo e a extremidade inferior chama-se colo. Há diferentes tipos de câncer de útero: sarcoma uterino, câncer de endométrio e câncer de colo do útero. Os sintomas podem ser ligeiramente diferentes em cada caso.

Sintomas do Sarcoma Uterino


Muitos casos de sarcoma uterino podem não apresentar sintomas antes de seu estagio avançado. Os sinais e sintomas dos tipos principais de sarcoma uterino são distintos.

Estes sintomas nem sempre significam que uma mulher tenha um sarcoma uterino. De fato, frequentemente se devem a células não cancerosas no útero, crescimentos pré-cancerosos no endométrio ou carcinoma endometrial.

Os sintomas mais frequentes são:

- Sangramento anormal. Se você já passou pela menopausa, é importante que informe a seu ginecologista a presença de sangramentos ou corrimentos. Aproximadamente 85% das pacientes com diagnostico de sarcoma uterino têm um sangramento vaginal irregular (entre períodos) ou sangramentos depois da menopausa. Embora este sintoma se deva a um transtorno benigno, em caso de sangramento irregular, é importante fazer uma avaliação medica imediatamente. Os leiomiossarcomas são menos propensos a causar sangramento anormal que os sarcomas de estroma endometrial.

- Fluxo vaginal. Aproximadamente 10% das mulheres com sarcoma uterino apresentam secreção vaginal sem sangue visível. Embora expelir secreção frequentemente seja um sinal de infecção ou outro transtorno benigno, também pode ser um sintoma de câncer. Qualquer secreção anormal deve ser informada a seu médico.

- Dor pélvica e/ou presença de um nódulo. Quando diagnosticado pela primeira vez, aproximadamente 10% das mulheres têm dor pélvica ou um nódulo (tumor) que pode ser sentido. Você ou seu medico podem apalpar o tumor no útero ou ter uma sensação volumosa na pélvis.

Atualmente não há testes ou exames para detectar sarcomas uterinos em mulheres sem sintomas (assintomáticas). O exame de Papanicolau, que se realiza para detectar o câncer de colo do útero, de vez em quando pode encontrar alguns sarcomas uterinos em fase inicial, no entanto não é um exame adequado para este tipo de câncer.

Se há suspeita de câncer uterino, a maioria dos médicos recomenda que a mulher seja examinada por um ginecologista oncologista (um médico especialista em diagnóstico e tratamento de câncer do aparelho reprodutor feminino).

Seu médico fará perguntas sobre seu histórico médico pessoal e familiar. Também sobre os seus sintomas, fatores de risco, e outros problemas de saúde. Você deve passar por um exame físico geral e um pélvico.

Câncer de Endometrio


Sangramento vaginal anormal e dor pélvica são sintomas característicos do câncer de endométrio. Há outros sintomas menos frequentes que não devem ser ignorados:

- Qualquer sangramento depois da menopausa. O sangramento pode começar como um fluxo branco ou aquoso manchado de sangue, e logo passar a ser um fluxo completamente ensanguentado.

- Excesso de sangramento menstrual (menorragia).

- Períodos irregulares, períodos mais frequentes ou sangramento entre períodos (metrorragia).

- Dor abdominal, dor pélvica ou dor de outro tipo durante as relações sexuais, que são sintomas de irritação do útero.

Algumas pacientes podem apresentar anemia (contagem baixa de glóbulos vermelhos) devido a perda crônica de sangue ou a exsudação lenta de sangue do útero. Os sintomas de anemia podem incluir: fraqueza, aturdimento, falta de ar, fadiga e aspecto pálido.

A semelhança de muitos tipos de câncer, a perda de peso pode ser o sintoma inicial. Quando aparecem estes sintomas, é conveniente buscar ajuda medica. Embora haja muitas outras explicações para o sangramento vaginal anormal, e a dor, o câncer de endométrio é curável se diagnosticado a tempo.

Câncer de Colo do Útero


Câncer de colo de útero, também conhecido como câncer cervical, é uma doença de evolução lenta que atinge, principalmente, mulheres acima de 25 anos. Seu principal agente é o papilomavírus humano (HPV). Embora sua incidência esteja diminuindo, ainda está entre as enfermidades que mais atingem as mulheres e levam ao óbito no Brasil. Uma avaliação ginecológica e o exame de Papanicolaou realizados periodicamente são recursos essenciais para o diagnóstico precoce deste tipo de câncer. Embora o diagnóstico definitivo dependa do resultado da biópsia, exames de imagem como: tomografia, ressonância magnética, RX de tórax são importantes.

A maioria das mulheres com displasia ou câncer pré-invasivo de útero não apresentam sintomas. Portanto, os testes de detecção são muito importantes.

Os possíveis sintomas são:

- Sangramento anormal. Quando o câncer se torna invasor, pode ocorrer um sangramento incomum. O sangramento pode parar e começar outra vez entre os períodos regulares, ou pode ocorrer sangramento depois menopausa. Um sangramento inesperado também pode ocorrer depois de relações sexuais ou de um exame pélvico.
- Períodos menstruais mais prolongados ou mais abundantes que o normal.
- Aumento no fluxo vaginal que pode ser pálido, aquoso, rosado, marrom, sanguinolento ou de odor fétido.
- Dor durante as relações sexuais.

Estes sintomas não são exclusivos de um câncer de colo do útero. As doenças sexualmente transmissíveis (DST), por exemplo, podem causar sintomas semelhantes.

O câncer cervical pode disseminar a bexiga, intestinos, pulmões e fígado. As pacientes com câncer de colo uterino em geral não apresentam problemas até que o câncer tenha avançado esteja disseminado.

Os sintomas do câncer de colo de útero avançado podem incluir: dor nas costas, dor nos ossos ou fraturas, perda de urina ou fezes pela vagina, dor pélvica, dor nas pernas, fadiga, perda de peso, falta de apetite e pernas inchadas.

Tratamento


Sendo confirmada a presença de tumores malignos levam-se em conta, o estágio da doença, as condições físicas da paciente, sua idade e o desejo de ter, ou não, filhos. A cirurgia conservadora deve ser indicada, quando o tumor está confinado no colo do útero. A Histerectomia (retirada total do útero) é indicada de acordo com a extensão e profundidade das lesões. A radioterapia tem-se mostrado um recurso eficaz para destruir as células cancerosas e reduzir o tamanho dos tumores. A quimioterapia apesar de não apresentar os mesmos efeitos benéficos, pode ser indicada no caso de tumores mais agressivos e em estágios avançadas da doença.